Quanto maior a extensão da greve, maior o impacto no preço dos alimentos

Greve dos caminhoneiros completa 5 dias nesta sexta-feira

A greve dos caminhoneiros já começou a apresentar impacto direto na falta de produtos do setor alimentício e na alta dos preços dessas mercadorias. Como os alimentos não conseguem chegar aos centros de abastecimentos, por estarem presos nas estradas, parcialmente interditadas, os produtos que estão à venda nos supermercados estão com preços superfaturados. “Os comerciantes tendem a aumentar o processo do produto escasso e dos que ainda não estão disponíveis. Além disso, a entrega mais cara vai recair também sobre o preço”, alertou nesta quinta-feira (24), a professora de economia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Michele Nunes. “Trata-se da lei da demanda e da oferta. Quanto maior a extensão da greve, maior o impacto nos preços. Isso vai pesar bastante no bolso dos consumidores”, frisou a economista. ABASTECIMENTO Não é só os postos e refinarias de combustíveis que estão sendo afetados pela greve. As associações de supermercadistas dos estados da região sul do Brasil, alertaram para o risco de desabastecimento de produtos. O risco é maior para fruas, legumes, verduras, carnes e laticínios. Até o fechamento desta edição, a APAS (Associação Paulista dos Supermercados) não havia se pronunciado, oficialmente, sobre o risco de desabastecimento com a greve dos caminhoneiros. Porém, funcionários que controlam estoques em redes de supermercados instalados em Barretos demonstraram preocupação com os estoques.

Edição da Semana
Edição da Semana
Procurar por Tags
Nenhum tag.
Siga o Jornal A Cidade
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black

    Gostou da leitura? Então compartilhe

© 2023 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com