Prefeitura e Fundação Pio XII buscam solução definitiva para problemas financeiros da Santa Casa

May 19, 2017

 

Após 7 meses da nova gestão e feitos todos estudos de prolongamento de prazos para pagamentos de dívidas com juros impagáveis,  o gestor da Santa Casa de Misericórdia de Barretos, Henrique Prata, esclareceu para a imprensa e população o pedido de insolvência do hospital.

De acordo com o gestor, a Justiça facultou o direito para os credores/fornecedores do hospital, confiscarem o dinheiro que entrava no hospital, em 30%, e isso inviabilizou completamente as condições de administração. Alguns valores de doações de campanhas, por exemplo, ficaram bloqueados.

Alinhada com a prefeitura de Barretos, foi solicitado pedido de insolvência, com o objetivo de “respirar”, e buscar novos caminhos para a administração do hospital.

Na prática, será feito um novo contrato de gestão com a Fundação Pio XII e com um novo cadastro, para que a fundação possa administrar a Santa Casa sem nenhum bloqueio financeiro pela Justiça.

Segundo Henrique Prata, “todas essas medidas não afetarão absolutamente  em nada os atendimentos na Santa Casa”.Segundo o prefeito Guilherme Ávila, com a insolvência, "não teremos mais os descontos (em torno de R$ 800 mil por mês) e as dívidas de anos e anos atrás. Com isso, a Santa Casa será um novo hospital, com a administração da Fundação Pio XII, e com uma saúde financeira iniciada do zero", considerou Guilherme Ávila.

Dívidas

A Santa Casa de Barretos está sob intervenção municipal desde agosto de 2013 e, desde 28 de outubro de 2016, passou a ser gerida pela Fundação Pio XII.
Segundo a ação de pedido de insolvência civil, o valor da dívida a curto prazo da Santa Casa é de R$ 58.638.237 e mais R$ 84.083.780 a longo prazo, totalizando R$ 142.722.017,00.
A dívida de curto prazo inclui fornecedores (R$ 10.317.861,00), prestadores de serviços médicos (R$ 6.570.028,00), bancos (R$ 8.841.085,00), tributos (R$ 15.006.686,00), operadora de plano de saúde (R$ 8.337.767,00) e outros (R$5.280.860,00).
A dívida de longo prazo inclui bancos (R$ 46.997.956,00), tributos (R$ 31.763.858,00), operadora plano de saúde (R$ 365.750,00), passivos contingenciais (R$ 3.597.810,00) e subvenções a realizar (R$ 1.358.406,00).

Santa Casa Sustentável

O prefeito Guilherme Ávila, acompanhado de Henrique Prata, participou, na quarta-feira (17), em São Paulo, de uma reunião com o chefe da Casa Civil do Governo estadual, Samuel Moreira.

Na reunião, agendada pelo deputado Luiz Carlos Gondim, foi solicitado que o repasse estadual para o hospital volte a ser de R$ 852 mil por mês, como definido inicialmente dentro do programa “Santa Casa Sustentável”, e a garantia do custeio dos medicamentos de alto custo. Atualmente o programa do estado destina mensalmente R$ 550 mil para a Santa Casa.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Edição da Semana
Edição da Semana
Procurar por Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga o Jornal A Cidade
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black

    Gostou da leitura? Então compartilhe

© 2023 por "Pelo Mundo". Orgulhosamente criado com Wix.com